quarta-feira, abril 29, 2009

No apagar das luzes

Passei todo o dia pensando o que poderia escrever. Tive muitas idéias, mas não as pus no papel como de costume para posteriormente postá-las aqui.

Mas porque eu dei esse título mesmo? Ah sim, hoje um ciclo mais um ciclo da minha vida chegou ao fim. Meu contrato com a Assembléia Legislativa do RJ chegou ao fim e um novo caminho tenho pela frente. Parece que foi ontem que eu chegava para a entrevista e me assentara com vinte outros colegas de um lado e um cara gordo do outro, o qual passei a ter profunda admiração. Este perguntava a mim "porque ele deveria me contratar?"
Minha resposta mediante a todos os outros foi simples, eu o disse "porque eu sou bom!" E ele me diria mais tarde que eu sabia me "vender", e que isso seria importante pro meu futuro.
Foram bons os momentos que passei por lá, aprendi a ser tolerante, a ficar quieto quando necessário e a falar também. Pude crescer como pessoa, e como profissional também.
Olho-me neste momento como se estivesse realmente descendo numa estação de trem para embarcar em outra brevemente.
Boas lembranças que serão eternas na minha memória.
Nâo fico triste, mas antes, no apagar as luzes, olho pela última vez o salão, reparo no enorme corredor percorrido milhares de vezes em dois anos e reconheço que o que andei até aqui, foi apenas o aquecimento daquilo que ainda esta por vir.
Obrigado Tiradentes, obrigado colegas de trabalho, obrigado Palácio, obrigado Fábio (in memorian) pela única oportunidade!

5 Comenta aí po!:

Myllena disse...

A metáfora do momento "apagar as luzes" foi realmente muito muito muito boa. E que venham outros mil corredores ainda ... de variados tipos e usuários. Acredito em vc ! ;D
Beijos

Fabrício Sales disse...

Obrigado My... você tem sido fundamental pra mim. Agradeço por ter a oportunidade de te encontrar e por acreditar em mim. ;D bjs!!!

Antonio Franciney disse...

Hoje é Dia da Literatura Brasileira. Tenho acompanhado teus textos, e, modestamente, vejo neles a profundidade de um contista e de um poeta. Parecem nascer e fluir com a mais banal das idéias até tomarem corpo e surpreenderem pela beleza e simplicidade. Literatura é isso.
Um abraço.

Myllena disse...

Razão. Achei bem pertinente o comentário acima. O texto flui, nos leva exatamente para onde deveríamos ir. Total acordo. Sua sensibilidade me deixa perplexa, querido amigo !
Beijos

Fabrício Sales disse...

Obrigado Franciney pelo elogio. Gosto sim de escrever o que vivo naquele momento. Tomara que eu consiga continuar prestando atenção nos detalhes da vida, pra poder compartilhar com pessoas amigas como você.
Grande abraço meu amigo distante!