quarta-feira, abril 15, 2009

Algumas árvores já floriram,...

Podia dizer-te que me fazes falta.
Podia contar-te como as minhas mãos me contam dos seus gestos suspensos, porque tu não estás para acabar o verso.
Podia falar-te da vontade de desenhar reticências de chuva, com os silêncios que me escorrem dos olhos.
Podia dançar-te, num murmúrio de voz que te envolvesse em aromas de pomares, de tulipas e de afetos.
Podia voltar a dizer-te que me fazes falta no beijo há tanto tempo adiado, que trouxesse tudo com ele... o mar, as ondas, as gaivotas, as conchas, a vontade de ficar, o teu perfume que ainda guardo, invencível, na memória da minha pele.
...
Mas eu calo-me. Espero que tu saibas. Espero que tu sintas tudo o que te poderia dizer em cada momento que deixo por aí, livre, entregue ao som do vento, que insisto em oferecer diluído em abraços. Como toque de areia fina. Como toque de acaso encantado.
Espero que tu saibas. Espero que tu sintas.
....
É que algumas árvores já floriram,...

3 Comenta aí po!:

disse...

Vc me faz pensarrr.... Questionar... rsrsrsrs Ai, ai!! bjks meu anjo!!

Fabrício Sales disse...

Pensar o que? Questionar o q? Diz aí.... rsrsrs, Bjs!!!

Larissa disse...

Por um longo tempo estive ausente,mas na minha memória estavas presente.Hoje mais uma vez deixo as minhas palavras aladas,talvez mais do que nunca.

Quando li a postagem lembrei de um poeminha do Neruda que diz:
Dois amantes felizes não têm fim nem morte,nascem e morrem tanta vez enquanto vivem,são eternos como é a natureza.

Vivo como a natureza de uma arvore é o amor,mesmo que no outono as flores dessa árvore caiam,vc levará na memória o cheiro,a suavidade de suas petálas.Mas outras árvores florescem nesse mesmo jardim e seus olhos tristes se voltam para ela. Aproveite que elas estão belas e floridas e as contemple.
Um bj.