domingo, junho 07, 2009

Então ela sorriu...

Olhou-se olhos nos olhos. Se os espelhos não mentem... os seus olhos gritavam-lhe para voltar a sorrir, de tão cansados que estão das rotas de sal. Ousou. Olhou-se de novo nos olhos, que a empurraram para fora do caminho habitual da fuga, e a resgataram, obrigando-a a ver-se. E ela viu a ausência de uns dedos que afagaram os seus cabelos. Estava lá a forma. A forma do afago dele, feita memória. No seu cabelo longo e meio claro como a manhã dos amantes, que se espraiam pelas horas, adiando o fim da madrugada. Foi então que, suave e lentamente, mergulhou os seus dedos compridos e finos no cabelo molhado, que gotejava sobre a sua nudez. E sentiu a sua força, como asas que de repente descobrem que voar não se desaprende. Os olhos, pediam-lhe agora 'Sê Feliz!'. E ela sorriu para si mesma, como não o fazia há muito, muito tempo.

1 Comenta aí po!:

Myllena disse...

Sorri por perceber que perdeu pela própria insanidade !
Beijos, querido
[My]...